CAMPANHA PELO VOTO ÉTICO CONTRA A CORRUPÇÃO

24 de agosto de 2016

Pessoal: vocês, sem dúvida, lembram da Campanha do Betinho que mobilizou todos nós desde a década de 90.
No contexto atual, aquelas mesmas pessoas estão empenhadas numa Campanha pelo Voto Ético contra a Corrupção. Precisamos do seu apoio para captar recursos para viabilizar as atividades, e convidamos você a visitar o site do kickante (vide link abaixo) e a nos ajudar a divulgar junto a seus amigos, familiares, e a todo mundo. Vamos fazer muito bochicho pois o Brasil precisa disso.
http://www.kickante.com.br/campanhas/campanha-pelo-voto-etico-2016.

29 de junho de 2016

post 1

PRECONCEITOS VISTOS DE DENTRO COMO ENFRENTAMENTO DA DISCRIMINAÇÃO: A POLÍTICA PARA POPRUA

16 de setembro de 2016

Há quarenta anos, venho atuando junto a Pessoas em Situação de Rua, segmento muito estigmatizado em nossa sociedade.

Expulsas do Mundo do Trabalho, Espoliadas em seus Direitos, Excluídas por familiares e ex-amigos, estas pessoas vão tendo introjetada uma imagem que permite que sejam tratadas desta forma. Alguns, até mesmo, justificam à sociedade que os oprime, reprime e impede que tenham uma vida digna.

Aqueles poucos que atuam com estas pessoas, procuram enfrentar as ações discriminatórias que são fruto de preconceitos enraizados. Quem discrimina justifica num descrédito de que estas pessoas ainda tenham “salvação”, de que consigam sair de sua condição atual e voltar a conviver em sociedade.

Mesmo quando se deparam com aqueles que conseguiram “sair do fundo do poço”, quem os discrimina diz que estas são as “exceções que confirmam a regra” e continuam com sua posição anterior.

Há, ainda, um número significativo de pessoas que considera que pessoas em situação de rua tem problemas mentais e que a única saída para eles seria o confinamento em Instituições psiquiátricas.

Uma aproximação “de peito aberto” permite entrever nestas pessoas em situação de rua toda uma gama de potencialidades que podem ser o ponto de partida para a busca de caminhos de superação, desde que a sociedade se abrisse para isso.

Mas, não são apenas as pessoas em situação de rua que são discriminadas. Nossa sociedade discrimina egressos do sistema penal, negros, mulheres, LGBT e quaisquer outras pessoas que deixem entrever que somos uma sociedade plural onde deveríamos saber conviver com o diferente.

O texto integral você encontra em  http://mmaconsultoria.com/?page_id=2741

A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA NO EXERCÍCIO DO PODER DE VOTO

5 de setembro de 2016

 

O direito de votar é resultado de muitas lutas.

Houve um tempo no Brasil em que, apesar de dizermos viver numa Democracia, somente tinham este direito de escolha dos governantes aqueles que fossem homens, brancos e ricos.

A primeira conquista, que devemos comemorar a cada eleição é que, hoje, todos os brasileiros podem e devem participar desse momento que é significativo na construção da cidadania em nosso país.

Precisamos nos unir com nossos amigos, vizinhos e com toda a sociedade de nosso município para fortalecer o poder local e definir o que deve e o que não deve ser feito.

Não estamos propondo, aqui, que todos votem num mesmo candidato ou mesmo em partidos desta ou daquela coloração. O que apontamos como necessária é a reflexão sobre esta pessoa que se coloca como candidato para exercer um cargo público em nosso município.

Campanha pelo Voto Ético contra a Corrupção

Este é o estado das artes, e é a partir deste cenário que estamos iniciando mais um processo de formação de lideranças e de incentivo para que estas discussões ganhem corpo e ocorram em todos os cantos da cidade de São Paulo.

O texto integral você encontra em  A IMPORTÂNCIA DA ÉTICA NO EXERCÍCIO DO voto

O ALCANCE DA POLÍTICA PARA POPULAÇÃO DE RUA E O PODER FAMILIAR

30 de agosto de 2016

Nestes anos que venho acompanhando a realidade de pessoas em situação de rua, ouvi inúmeros relatos de crianças afastadas de seus pais, sempre em nome da proteção.
O Código de Menores formalizava uma prática concreta de retirada das crianças do meio familiar, deixando-as a disposição de uma outra classe que ora protegia e capacitava, ora explorava tanto no que se refere ao trabalho doméstico quanto a ações de abuso sexual. Muitas vezes, a iniciação sexual dos filhos da riqueza se utilizava das meninas da casa.
Importante salientar que o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente, reservou todo um capítulo enfatizando o direito das crianças e adolescentes à Convivência Familiar e Comunitária.
“Toda criança ou adolescente tem direito a ser criado e educado no seio da sua família e, excepcionalmente, em família substituta, assegurada a convivência familiar e comunitária, em ambiente livre da presença de pessoas dependentes de substâncias entorpecentes”. (art. 19)
“A falta ou a carência de recursos materiais não constitui motivo suficiente para a perda ou a suspensão do poder familiar .
Sabe-se, no entanto, que uma grande parte das destituições do poder familiar está baseada em pobreza e carências de recursos, não havendo políticas sociais suficientes que alcancem estas situações.
Se um dos argumentos dos grupos que entendem que devem tirar crianças e adolescentes da custódia de seus familiares é a pobreza, nem é preciso um grande esforço para perceber o que ocorre com crianças e adolescentes das famílias em situação de rua.
Uma reflexão sobre isso você encontra em http://mmaconsultoria.com/?page_id=2563&preview=true