CAMPANHA PELO VOTO ÉTICO CONTRA A CORRUPÇÃO

24 de agosto de 2016

Pessoal: vocês, sem dúvida, lembram da Campanha do Betinho que mobilizou todos nós desde a década de 90.
No contexto atual, aquelas mesmas pessoas estão empenhadas numa Campanha pelo Voto Ético contra a Corrupção. Precisamos do seu apoio para captar recursos para viabilizar as atividades, e convidamos você a visitar o site do kickante (vide link abaixo) e a nos ajudar a divulgar junto a seus amigos, familiares, e a todo mundo. Vamos fazer muito bochicho pois o Brasil precisa disso.
http://www.kickante.com.br/campanhas/campanha-pelo-voto-etico-2016.

29 de junho de 2016

post 1

PRÊMIO BETINHO DE DEMOCRACIA E CIDADANIA

12 de agosto de 2016

No dia 8 de agosto, semana passada, no salão nobre da Câmara Municipal de São Paulo, foi realizada a festa de entrega do Prêmio Betinho de Democracia e Cidadania.

Duas organizações foram vencedoras, em 2016, cada uma delas tendo recebido uma Salva de Prata. São elas:

Associação Franciscana de Solidariedade

Atuando em unidades prisionais e de internação, a Associação realiza um trabalho socioeducativo com adultos e adolescentes. São realizadas reuniões com participação ativa das presas adultas. No trato com os adolescentes, a Fundação Casa é quem dá a orientação para a ação.

União de Núcleos, Associações dos Moradores de Heliópolis e Região

O publico alvo da UNAS  são 400 crianças e adolescentes de 6 a 15 anos de 3 CCAs e o primeiro olhar já identifica um enfraquecimento dos vínculos familiares e situações de violência doméstica.

Além das Salvas de Prata entregue a estes companheiros, dois outros projetos receberam Menção Honrosa. O Instituto Social Santa Lúcia e o Instituto Criança Cidadã.

Para conhecer um pouco mais o significado deste Prêmio, veja o texto integral em  http://mmaconsultoria.com/?page_id=2714&preview=true

DISCURSO E PRÁTICA NA ATUAÇÃO PROFISSIONAL COM PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA

30 de julho de 2016

Até meados do século XX, nas diversas políticas sociais, havia um entendimento de que o profissional era aquele que sabia o que é melhor em cada situação, o que levava à desconsideração do que queria e do que achava aquele usuário que se aproximava dos serviços em busca de suporte para sua vida.

Quando este público eram pessoas em situação de rua, nem se cogitava escutar o que queriam dizer aqueles que viviam da mendicância. Seu atendimento era feito por Organizações Caritativas e só quando esta problemática aumenta é que passa a ser vista pelos governos.

Nas ações propostas pelas Políticas, uma das finalidades era o controle do sofrimento vivido por aquelas pessoas aliada a uma ênfase na reconstrução das relações afetivas e familiares que, segundo se entendia, era necessária para que estas pessoas retornassem ao seio da família de origem e deixassem de ser um “incomodo em situação de rua”

Quando a PNPR propõe que as ações a serem desenvolvidas devem se adequar às necessidades e desejos daqueles usuários, leva os profissionais a terem que lidar com problemas de duas naturezas:  a definição de critérios para o aceite desta autonomia e a escassez de recursos que exige que sempre se atenda apenas uma parte da demanda existente.

No processo de tomada de decisões dos profissionais, debatem-se dois tipos de referencial: um que ainda considera que a situação de rua é fruto de um modo de ser individual (a escolha, a rebeldia, o desinteresse por parte do usuário) ou coletivo (e na leitura deste coletivo, há um contraponto de nossos anseios pessoais que trás para o profissional a responsabilidade pelo acerto ou erro da ação proposta.

O discurso enquanto elemento da prática

A partir da consolidação da PNPR passou a ser “politicamente correto” afirmar-se que esta problemática é responsabilidade da sociedade e não do indivíduo isoladamente.

Este discurso afirma que a situação de rua é parte da questão social e que não se deve considerar estas pessoas como excluídos sociais já que são parte desta mesma sociedade.

Quando buscamos nos deter nas ações do cotidiano, no entanto, não é isso que identificamos.

O texto integral você encontra em http://mmaconsultoria.com/?page_id=2707&preview=true